Durante duas décadas, o grande objetivo perseguido pelos idealizadores dos Serviços Compartilhados tem sido a busca pelo aumento da eficiência operacional de suas organizações. Essa jornada possui muitos elementos e modismos como integrações de sistemas ERP, Robotic Process Automation (RPA), Customer Relationship Management (CRM), reengenharia de processos, ampliação dos centros para embarcar processos tidos como estratégicos, etc.

No entanto, este anseio por eficiência, quando não bem gerenciado, pode levar a implementações mal feitas e soluções equivocadas, provocando perdas financeiras e burocratização da organização – justamente o efeito contrário do que era esperado, que seriam ganhos financeiros e eficiência operacional.

Observando essa realidade em muitas organizações, percebemos que um dos principais desafios em melhorar a eficiência operacional do CSC não se trata de desenhar a melhor solução técnica, mas sim em ter um processo de tomada de decisão realmente eficaz e que engaje a organização nas transformações necessárias.

Com objetivo de simplificar e otimizar o desenvolvimento de inovações, uma excelente metodologia é o “Design Thinking”.

Continue lendo este e outros artigos na Edição 60 da Shared Services News!

Autores: Hannah Morikawa e Breno Jácome

Consultora e Sócio Gestor da Visagio