Pesquisa aponta que a cobrança por transação/produto já é praticada por 46% dos Centros analisados

Visando consolidar o relacionamento cliente-provedor nos CSCs, o repasse de custos procura transferir às unidades de negócio o impacto dos custos envolvidos nas operações solicitadas. Uma iniciativa que permite uma “educação da demanda” por parte dos usuários dos serviços do CSC.

Com essa perspectiva, 82% dos CSCs já passaram a adotar alguma forma de rateio em seus processos. O repasse real/contábil é o mais utilizado, adotado por 58% dos CSCs participantes do estudo, realizado pelo IEG, em 2014, com empresas do setor industrial e de serviços.

Na pesquisa, também foi possível observar que, em relação aos tipos de repasses praticados, enquanto 35% das empresas adotam o rateio simples, que consiste na divisão dos custos sem considerar o consumo das unidades clientes, 46% já aplicam a cobrança por transação/ produto, que permite uma maior conscientização da demanda, uma vez que é considerado o volume consumido no período.

“A prática de repasse real ou gerencial dos custos e a cobrança por transação são características comuns dos Centros que possuem alto nível de maturidade e revela a grande preocupação desses CSCs em mostrarem aos seus usuários a importância de um melhor planejamento dos pedidos.”, explica Taís Nascimento, do IEG.

Fonte: Instituto de Engenharia de Gestão (IEG), Benchmark em CSC 2014.